sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Lembranças

     Era uma manhã sem sombras, eu estava voltando das minhas aulas matinais, feliz pelo sol, que havia se precipitado. Ainda estávamos em meados de agosto, dia 14, se não me engano, e o sol já se mostrava desinibido e ponderoso.
     Eu estava voltando das minhas aulas, neste dia a pé, para diminuir a vida sedentária que a Universidade tinha me forçado a aderir. Encontrei uma praça velha, meio abandonada, com balanços enferrujados e bancos corroídos, durante a noite deveria ser concentração de prostitutas e usuários de drogas. Lembrei ou me imaginei brincando naquele balanço, eu deveria ter uns 5 anos e era balançada pela minha mãe, que me lembro pelas fotografias. Eu estava feliz, e usava uma tiara de laço na cabeça a qual me havia deixado muito vaidosa.
     Deveria ser imaginação, nunca havia me lembrado de nada que tivesse feito com meus pais. Eles sofreram o acidente quando ainda tinha 5 anos e nesta fase as crianças costumam não se recordar. Sentei em um dos bancos tentando imaginar outras cenas, mas todas pareciam falsas. Resolvi então ir para casa, minha avó já deveria ter aprontado o almoço e ela não gosta de atrasos nas refeições.
     Já em casa, sentada a mesa pensei duas vezes antes de mencionar a provável falsa lembrança que tive. Minha avó não se sentia confortável em falar comigo do acidente, os dos meus pais, sei que até hoje ela sofre muito, minha mãe era sua única filha. Pensei duas vezes, mas falei, e ela apenas sorriu levemente e voltou a comer. Desapontada pela falta de interesse dela, voltei a comer de cabeça baixa, se mencionar palavra alguma. Um pouco antes que eu terminasse a refeição, ela quebrou o silêncio.
     “Sua mãe adorava aquela praça, era onde se encontrava com seu pai às escondidas no início do namoro. Deve ter lhe levado várias vezes lá.” Quando terminou de falar já estava em pé recolhendo os pratos, eu a ajudei e depois fui para meu quarto. Abri a gaveta e peguei uma foto minha com 3 anos junto a meus pais, encarei a expressão da minha mãe, me dava paz. Guardei-a novamente na gaveta e agradeci a Deus, por ter me feito sentir por um minuto um momento que vivi ao lado da pessoa que mais me amou durante toda a vida. Agradeci sem o rancor que atravessei na minha adolescência, buscando culpados para a falta que senti. Agradeci apenas querendo lembranças, mais lembranças.

“Amem os seus pais, façam boas lembranças de estar junto a eles. Muitas vezes quando somos jovens temos a sensação que as proibições são todas para o nosso mal, mas haverá um dia que você valorizará tanto isso, que fará o mesmo com seus filhos.”     Carla Maria

sábado, 8 de outubro de 2011



Tenho que aproveitar os meus nós na garganta para tentar falar alguma coisa... Uma vez ouvi uma garota dizer, em algum blog, que publicar um texto é um jeito educado de pedir emprestado um peito, quando a dor já não cabe mais em um só. Eu, sinceramente concordei  instantaneamente com ela, por que comigo é assim... Ultimamente eu só tenho usado o blog quando estou me sentindo sozinha, confusa, chateada... Tenho usado sem pretensões nenhuma de publicar meus textos, nem de alcançar algum público. Tenho postado apenas pra mim, apenas pro meu eu se sentir melhor.

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Você conhece...


Você conhece alguém que ficaria do seu lado em qualquer momento? Você conhece alguém que trocaria tudo para estar ao seu lado? Você conhece alguém que lhe passe a certeza que estará contigo nos piores momentos? Conhece alguém que jamais te trocará por nada?
É tão bom saber, que seja qual for a situação haverá alguém pra segurar a sua mão e cochichar no ouvido que tudo dará certo. É tão bom se sentir protegida. É tão bom acordar e ter a certeza que alguém estará disposto a te amar e te mimar. Você conhece alguém além da sua mãe que faria tudo por você?
Só amores verdadeiros trazem felicidades verdadeiras, só amores verdadeiros nos dão a segurança que nunca estaremos sozinhos. Só amor verdadeiro é amor. É tão bom saber que além da minha mãe alguém (não tanto quanto ela) faria tudo isso por mim.
... alguém que te ame de verdade?

Te amo mãe! s2

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

E foi quando eu precisei...



Quando eu mais precisei, você não estava aqui pra me ajudar. E não venha me dizer que achou que eu não o queria por perto, por que você deveria saber que melhores amigos quando brigam é passageiro. Quando eu precisei, você não estava, então pare de dizer que eu fiz com que a nossa amizade acabasse por que o primeiro a mentir, o primeiro a se atrasar e o primeiro a me dar as costas foi você. Não venha relembrando o passado e as nossas brincadeiras diárias por que hoje elas não mais me comovem, hoje elas só são lembranças de um melhor amigo que me abandonou quando mais precisei. Não venha me dizer mais uma vez que sente a minha falta. Não venha!

... que eu não te achei!

Por Carla Maria parando de uma vez por todas de usar este “Por Carla Maria”. 

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Saudade


Há quem diga que saudade é passageira, mas como? Eu a sinto todos os dias, longe ou perto. Eu a sinto todas as manhãs frias ou quentes, todas as sexta, domingos ou quartas. Passageira? Certamente quem vos dissestes isto nunca sentiu saudade de fato, nunca acordou com nós na garganta, nunca quis andar a pé longas distância num ímpeto. Passageira? Não, a saudade não é. Desde que verdadeiro seja esse amor.


Por Carla Maria sentindo saudade da mãe, do pai, do irmão, do namorado, do gato e cachorro que não tem e etc.

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Abandonar

Tenho abandonado coisas que num tempo atrás eram tão essenciais ao meu bem estar... Tenho abandonado hábitos meus, tenho tomado novos rumos, novos gostos, novas idealizações. Estou abandonando um pouco da minha antiga essência, estou criando uma nova essência e até agora não sei identificar as falhas desta. Estou abandonando tudo e agarrando outras coisas novas para construir talvez uma nova maneira de viver, mas ainda não sei se é isso que realmente devo fazer.

Por Carla Maria abandonando tudo e tentando tirar o blog dessa regra...

sexta-feira, 29 de julho de 2011

Caminhos de Volta



    Gotas de água pode se transformar em uma tempestade se você a quiser. Basta você a querer. Algumas atitudes também podem nos fazer repensar tudo, desde o início. Talvez o problema seja que nós nos acostumamos tanto a repensar, que ignoramos os caminhos de volta, acreditando que logo mais encontraremos outro e assim desprezamos todos os outros próximos caminhos, sempre acreditando que encontraremos um mais a frente. E deixamos tudo pra trás, e forçamos acreditar que talvez um dia mude, mas provavelmente não mudará e sempre nos perguntamos, “é isso que realmente quero” e sempre achamos que ainda há tempo de voltar a trás mas na verdade não há, por que tudo tem se misturado e virado uma bola de neve, se me permitem a expressão clichê.
    Mas no fim de tudo o que acontecerá? Os motivos das gotas de água viradas tempestades serão esquecidos e os caminhos de volta desprezados. No fim acreditará que tudo é amor e que todas as mágoas serão perdoadas por isso, afinal, uma das utilidades do amor é disfarçar os erros e as gotas de água. No fim, não terá mais fim até que eu encontre um caminho mais a frente que não só me faça repensar o qual estou seguindo, mas também desistir dele. 

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Ouça-me


Se de todos os momentos bons eu me deixar levar por nós na garganta numa noite solitária em um lugar distante, eu não estarei apta a amar. Se de todos os sorrisos eu desistir por uma lágrima de culpa, eu não estarei pronta pra sentimento algum. Se você me disser adeus e eu chorar, eu estarei colhendo o que plantei, eu estarei desperdiçando tudo que eu sempre quis, mas não soube ainda lhe dar. Se você não mais me amar, eu vou esperar o seu amor. Se você me escutar agora eu te direi que não quero que nada mude, que quero o seu jeito, que aceito a sua personalidade. Se você me escutar agora, ouvirá que eu te amo.


Por Carla Maria pedindo desculpas pelas imperfeições...

domingo, 3 de julho de 2011

Breve Adeus


Nem triste, nem feliz eu digo mais um breve adeus. Nem triste, nem feliz. Apenas querendo um tempo, não tenho tido tempo pra escrever, nem tenho tido as mesmas inspirações de antes. Em breve eu volto, com novas ideias. Eu Prometo.
Enquanto isso, os blogs que passarem a me seguir eu seguirei todos de volta, e continuarei comentando nas postagens alheias. Só não postarei por enquanto.

Beijos e obrigado pela companhia.

Por Carla Maria ascenando um tchauzinho

terça-feira, 28 de junho de 2011

Amores


Existem amores de tantas maneiras, amores relapsos, amores amados, amores desmerecidos e amores doentes. Existem amores que não valem apena, existem amores que denunciam serem eternos e outros que nada constroem. Existe o meu amor, o seu amor e o amor de todos. Existe a multiplicidade, e eu amo essa multiplicidade.



Por Carla Maria pesando em alguns amores estranhos e em outros eternos

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Eles


Amigos homens que me falavam de superman o tempo inteiro e que me chamavam pra brincar de carrinho mesmo sabendo que eu recusaria. Amigos homens que me chamavam de chata e chorona, amigos que falavam pra eu não chorar e me ofereciam o boneco herói. Amigos que diziam que eu quebraria o carrinho de controle remoto e me proibiam de tocar. Sim, amigos homens também podem ser malvados com a gente. Hoje eles cresceram e nem são mais os mesmos, nem os vejo mais, e quando os vejo, nem se lembram mais da garotinha de rosa que ficava olhando e revirando os olhos pras conversas imbecís deles.

Hoje, os amigos homens que tenho continuam quase os mesmo que os que eu tinha quando pequena. Eles falam das minhas amigas bonitas em vez do superman e me chamam pra beber com eles, mesmo sabendo que não bebo. Chamam-me de chata e chorona, mas quando choro me mimam e fazem palhaçadas. Amigos que me chamam de desastradas e me proíbem de coisas perigosas. Sim, amigos homens podem ser fofos sendo chatos com a gente. Eles são quase os mesmos dos que eu tinha quando pequena, só que agora não há heróis e carrinhos envolvidos. Agora eles ameaçam o meu namorado e me vigiam o tempo todo.



Por Carla Maria falando dos amigos chatinhos e fofos dela.

sábado, 18 de junho de 2011

1,2,3... Amigos Mentirosos


Mentiras são ditas e são perdoadas por todo o tempo. Mentiras sem escrúpulos, mentiras e só mentiras. Sem motivo, sem necessidade... Uma mentira desmerecida. Eu a encaro como não recíproca, mas errada fui eu por compartilhar a minha sinceridade, errada fui eu em acreditar em tudo que foi dito, em todas as mentiras...


Amigos mentirosos, e é só isso que tenho a dizer. Se vou perdoar? Não, eu não vou.



Por Carla Maria desacreditando...

terça-feira, 14 de junho de 2011

Dia dos Namorados Atrasado...

Meninas, me desculpem por não ter postado nada sobre o dia dos namorados... algumas pessoas se queixaram disso e fiquei triste em desapontá-las... Porém, meu blog já tem um bom tempo de vida e nunca escrevi nada sobre tal dia. Não é meu costume e também nunca reclamaram disto, mas... estou aqui falando sobre o dia 12 de junho do ano de 2011.
Aqui na minha cidade estava nublado (até tomei um pouco de chuva), mas deu pra aproveitar muito bem o dia. Meu namorado acertou no presente, apesar de ter sido a nossa primeira data comemorativa ele se saiu muito bem. #APROVADO. Eu , modesta parte, também acertei. kkk'
Bom... não foi um post como costumo escrever, mas falei do dia dos namorados, mesmo que muuito atrasada.

Me diga agora, como foi o seu dia?
beijos beijos


Por Carla Maria falando pela primeira vez do dia dos namorados...

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Teu Sorrir

Eu o faço sorrir como uma criança que escolheu o brinquedo certo. Eu o vejo sorrir de uma maneira que eu jamais pensei que conseguiria fazer e o meu coração sorri junto. Eu o vejo me olhar ainda mais doce e eu tenho ficado viciada neste olhar. Eu desejo o seu sorriso e fico feliz por você não ter mais aquela máscara séria em seu rosto.

Por Carla Maria vendo sorrisos e progressos.

sexta-feira, 10 de junho de 2011

O que me Importa...

Você fala que tenho um olhar doce, fala que gosta de como eu coloco um pé antes do outro quando caminho, fala que minha voz em sussurros te conforta e acalma quando mais precisa... Você disse que estava encantado comigo dois dias depois que nos conhecemos, você se apaixonou naquela noite que me ouviu falar por horas coisas engraçadas e extrovertidas, você se apaixonou pelo meu jeito alheio e só não sabe disso ainda. Você diz que me ama e eu acredito. Acredito por que aprendi mais com seu olhar do que com suas palavras.

Você fala do meu olhar doce e das minhas palavras frias, como pode gostar de tudo isso? Como pode amar esses opostos dentro de mim? Como pode conviver com essas duas personalidades? Não me queixo quando me chamar de mulher de fases, quem mandou você gostar dela? Só isso me importa, o que você sente.



Por Carla Maria e só. =)

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Faça

Segure a minha mão, ela já está estendida. Veja comigo o quanto verdadeiro pode ser um Ser Humano, me mostre o quanto confiante você pode ser. Mostre que não são todos iguais, mostre que você fala a verdade quando diz que é diferente. Diga que me ama mesmo sabendo que eu já sei, eu preciso ouvir sempre. Diga que me entende, diga que precisa de mim. Seja o meu amor, seja a minha vida, seja o meu resumo pra sempre. Repita que vai me fazer feliz e dessa vez gravarei a sua voz para ouvir todos os dias antes de dormir.




Por Carla Maria tentando ser romântica e percebendo que só conseguiu ser autoritária...

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Nostalgia

Quero os meus amigos sentados no pátio da escola, rindo sem para. Quero uma professora chamando a minha atenção por estar conversando. Quero as minhas melhores amigas falando o tempo todo o que devo ou não fazer. Quero os cuidados que tinham comigo. Quero saber que todos sabem da minha vida. Quero andar de braços embolados com as minhas amigas... Quero tudo de volta, eu estou com saudade...


Saudade das pirraças típicas de todas as manhãs, saudade de me irritar com o barulho na hora da aula, saudades dos grupinhos e das besteiras ouvidas em sala de aula... Saudade de tudo, mas principalmente dos amigos que hoje tenho certeza que eram verdadeiros. Eu ainda os tenho e sei que sempre terei, mas eu quero estar perto ao ponto de querer “matar” um a cada segundo, perto pra poder chorar em um ombro, perto pra ser julgada e amordaçada. Por que amigos não são aqueles que não te julgam, esses são os desconhecidos. Amigos são os que falam “você está errada, conserte isso” e ainda “eu posso te ajudar, assuma seu erro”. Esses sim são os meus amigos...

Por Carla Maria com saudade de brigar, mandar, orientar e dar carinhos aos meus amigos de verdade...

terça-feira, 31 de maio de 2011

Olhares

São olhos corrompidos, meu amor. Corrompidos de medo, de insegurança e inocência. São olhos que se negam a te passar tranquilidade, olhos que te pedem amor, que te pedem paciência. São olhos carinhosos, impulsivos e independentes. São olhos lhe pedindo permissão, lhe testando a cada segundo, lhe dizendo que ama. São os meus olhos que só querem olhar os seus.

Por Carla Maria depois de ter estabelecido uma nova linguagem, depois de aprender a falar com o olhar.

sábado, 28 de maio de 2011

Passado

Sem querer relembrei de tudo. Eu estava sentada na sacada do meu prédio e um flash do passado ultrapassou os meus pensamentos. Um misto de alegria e abandono tomou conta de mim. Alegria por que o passado me deixou boas lembranças e abandono por que afinal, eu havia sido realmente abandonada. Senti lágrimas hipócritas de tristeza perpassar o meu rosto. Hipócritas por que eu não estava triste, hipócritas por que eu estava vivendo o momento mais feliz da minha vida. Estava sendo amada e estava amando como nunca. Mas senti as lágrimas.

Senti frio, mas não queria entrar, queria continuar sentada na sacado do prédio olhando o movimento dos carros e a correnteza do mar. Eu queria ficar ali por que aquele lugar me trazia tantas recordações e naquele momento tudo o que eu queria era revivê-las, tudo o que eu queria era reviver um dia insensato do passado. Um dia arriscado, um dia de provocações.

A noite foi se aproximando e o vento ficando ainda mais frio e eu olhei para mim mesma e descobri que o meu corpo implorava “só mais um vez”, meu corpo pedia pra reviver um único momento e só assim eu decidi sair daquela sacada, saí pra evitar esses pensamentos ridículos e criminosos. Saí por que eu estava feliz como estava e o passado já não me dizia mais respeito.

Sentei no sofá e liguei a TV, com o pensamento vago ainda meio perdido no meu passado desconcertante. Olhei o relógio, já estava na hora que ele chegaria. Olhei-me no espelho, e logo a campainha tocou. Fui atender feliz, esquecendo-me de tudo que havia pensado durante todo o dia, esquecendo o meu passado, esquecendo as minhas lágrimas. Aquilo sim era felicidade e eu o amava como jamais havia amado nenhum outro que chegou um dia a me abandonar.

-Oi amor – falei sorrindo, com olhos que jamais choraram. Falei sorrindo para o meu presente.

Por Carla Maria apenas contando um história...


carlinhamaryblog@hotmail.com 
(Mande sugestões, críticas e sempre mantenha contato)

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Irritada

O que mais me irrita?
Eu sendo chata, arrogante, impaciente, mandona, mimada, dramática, calada, nervosa e ele dizendo que me ama e fazendo coraçõezinhos...
Dá pra sentir raiva também?


Por Carla Maria revoltada por que o namorado não se irrita com ela nunca

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Apenas Resumos

Eu ouço as músicas e em todas procuro semelhanças com a nossa história. Eu ouço as músicas e vejo pequenos resumos do que sinto por você, pequenos e significativos resumos. Eu ouço você e sei, neste momento, que as suas palavras soam como músicas para mim. Eu ouço o seu ‘eu te amo’, ouço os seus suspiros e ouço os seus chamados e tudo se transforma em música para mim. E qual é a nossa música? Nós não temos, por que nenhuma conseguiria traduzir nosso sentimento, nenhuma diria tudo que deve ser dito. Conhecemos apenas resumos, significativos resumos.



Por Carla Maria proibindo Danilo Brasil de dizer que temos uma música.



quinta-feira, 19 de maio de 2011

Garotas x Garotos

Garotas dizem coisas subentendidas na esperança que eles entendam. Garotos nunca sabem do que nós estamos realmente falando ou onde queremos chegar. Garotas mudam a voz quando estão com ele no telefone. Garotos não entendem por que a voz dela fica mais bonita. Garotos contam as suas histórias. Garotas fingem estar interessadas. Garotas amam. Garotos também.



Por Carla Maria feliz por não haver só divergências entre garotas e garotos.




terça-feira, 17 de maio de 2011

Um Caminho

Eu vejo as ondas me perguntarem se eu não quero ser levada, vejo a brisa sendo provocativa e vejo o meu telefone guardado no bolso. Eu ando sozinha e vejo o céu se escurecer como numa revolta conta mim. Eu ando sozinha e na minha cabeça nada passa de um sonho, mas não é o que parece... não tenho controle sobre nada e tudo me assusta. Reparo nos meus pés e os vejo descalços, procuro a sandália e não acho, desisto e continuo o caminho. Ainda sozinha olho para o lado e vejo desconhecidos, continuo o caminho sem olhar pra trás, sem sorrir aleatoriamente.



Por Carla Maria vendo a natureza conspirar.

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Sinceros

Seus olhos são atentos a cada detalhe das minhas expressões, suas mãos me abraçam e protegem a minha inocência, o seu olhar me deixa desconcertada e você parece gostar de mim. Seu andar me faz querer te parar e não deixar que saia do meu lado e quando eu te abraço eu me sinto sua propriedade, sinto-me a pessoa certa para ser chamada de pronomes possessivos por você e eu suspiro de tristeza quando estou longe. Sua respiração lenta desperta a minha ofegante e você consegue me sentir trêmula em seus braços. Os meus lábios falam involuntários que te amam e eu nunca os vi sendo tão sinceros.

Por Carla Maria dizendo algumas coisas para o namorado.
carlinhamaryblog@hotmail.com
 (fale comigo !)

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Minha História


Foi rápido e viciante como nada que já senti. Foi rápido, mas expressivo. Rápido, mas fascinante. Rápido, mas é essa a história que quero contar aos meus filhos. Rápido, mas é a minha história. Não me importo com a velocidade, só me basta ser sincero e eterno.


Por Carla Maria se sentindo em uma comédia romântica que já começou com um beijo e que talvez nunca tenha um fim.