sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Nada mais que uma libertação.


Seguirei o meu caminho que é em outra total direção, não há mais nada a ser feito, não há mais sentido em continuar. Cada atitude indesejada, cada terrível palavra dita sem querer, cada desilusão despejada em um conta-gotas... Tudo já se tornou doloroso, tudo já representa uma queda. Acreditar no amor ideal não é tudo que eu imaginava, agora sei que até mesmo o amor verdadeiro é substituível quando este já está nos sufocando com nossas próprias lágrimas.
Dessa vez a minha desistência é real, não será como as outras que há uma recaída, não será abandonar ao acaso, será definitivamente DESISTIR. Nunca estive tão determinada como agora. Criei uma parede de gelo e ela não será atravessada, nem danificada, ela continuará como agora está, atenua, serena, espessa. Finalmente conseguirei ter minhas atitudes movidas exclusivamente pela razão.

sábado, 12 de dezembro de 2009

TRILHA SONORA


Eu ouço a música tocar e estranho minha constância dependência de notas musicais, o toque do piano que me acalma e me acolhe, a sonoridade do violão que me tira o fôlego e me desarma. Com um lindo poder e encanto a música me ergue ou me liquida, me conquista com sua preciosa delicadeza.
Se as lágrimas brotarem de meus olhos, não me surpreendo, apenas vivo aquele pesar. Se me recorda algum belo momento, deixo-me revivê-lo. Se me encorajam a algo, penso antes de concordar. É uma preciosa rebuscagem de vida, é uma deliciosa reflexão.
Meu preferido som é o leve toque do piano, tão sensível... tão frágil... Como uma declaração de amor dita ao vento. Como crer que existirá um momento que será viável acreditar que aquela felicidade é apenas um início e não um limite. Como se não houvessem provas contrárias que pode existir um conto e fadas, com príncipes e princesas, na realidade...
A música não faz parte da verdadeira realidade dos fatos, ela pertence a uma utopia, a uma discordância entre realidade e desejo, ela está contigo mesmo quando ninguém mais a quer, ela não se importa com as futilidades e desavenças. Ela é um meio de comunicação subentendido e nebuloso. Ela é um desabafo para quem a faz e também para quem a ouve. É um sussurro gracioso em meu ouvido quando preciso de inspiração para viver. Ela me faz sonhar com grandes possibilidades...
Minha vida tem uma bela trilha sonora, com músicas para os dias que apenas chorar basta como desabafo, músicas para dias espetacularmente felizes, músicas para a depressão de dias comuns, músicas para gritar e extravasar a raiva, e músicas para quando eu preciso desabafar em palavras e mostrar a todos o que existe por trás do esmalte cor-de-rosa.
Eu acredito que a música pode mudar o mundo, como mudou o meu.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

...DIGA...


Nunca estive tão confusa e incrédula, creio que você tem consciência dessa bagunça que está causando em minha cabeça, creio que exista boas intenções por traz de tudo isso. Eu sei o que quero, mas as vezes penso que você ou não sabe o que quer, ou finge que não sabe o que eu quero, você perece brincar com a situação, parece fugir da realidade que te espera...
Você tem atitudes incompreensíveis, ou me ama ou concerteza me odeia... Aquelas palavras... Se não me ama são para a outra, então por que me mostrar? por que insistir em me machucar? E se me ama então é pra mim, então o que espera?
Faz um tempo que eu passei a olhar sempre o lado negativo das palavras, dos gestos... Mas dessa vez não sei o que aconteceu comigo mas nenhuma das minha táticas de desilusão antes da ilusão funcionaram... O que me diz? Tenho que rever outra tática ou você dará o braço a torcer? Você me ama ou me odeia?